Infância dos anos 90

Dia das crianças… E você aí, recém saído de uma adolescência não muito normal, tentando ser adulto e fazer coisas de adulto. Mas ei… Nem tudo está perdido: ainda podemos sentar juntos e falar: “Nos meus tempos as coisas eram diferentes…“, dividirmos lembranças e então morrermos todos de ataque cardíaco de tanta nostalgia.

Essa postagem é pra quem teve sua infância nos anos 90. Por quê? Porque foi a infância que tive, então não enche. Pra não encher a página de vídeos e imagens, eu deixei tudo em links (acho que ficou melhor assim, rs).

Enfim, vamos lá…

Confessa: você sabe a letra!

(Versão brasileira… Herbert Richers)

Há (não) muito tempo atrás existia uma geração. Membros do Comitê Revolucionário Ultra Jovem (CRUJ), criadores autorizados de Tamagochis, exímios batedores de tazo e exploradores da Caverna do Dragão; nós corríamos pelas ruas e praças (se preocupar com o quê naquele tempo?) soltando hadoukens imaginários e caçando pelas esferas do dragão. E ainda dava tempo pra procurar pela Carmem Sandiego (quem é Wally?).

Eram tempos simples, onde todo menino queria ser o power ranger vermelho e toda menina em seu sonho já viveu um lindo conto infantil. E, independente de quem fosse, Kinder Ovo de 1 real era obrigatório, principalmente se você fazia a coleção dos 7 duendes. (apesar de que o chocolate da Mônica também servia)

E não havia “mimimi”. A (falecida) Rede Manchete transmitia os destroçamentos e campeonatos de luta sanguinários do Yu Yu Hakushô  na maior paz. O SBT passava filmes como Chuck, A Hora do pesadelo, Um Lobisomem Americano em ParisMonstro do Armário, A Volta dos Mortos Vivos, A Bolha Assassina e Colheita Maldita em plena luz do dia (mas o que dava medo mesmo era o Cade o Léo…). O Caco Antibes falava as verdades sobre os pobres todo domingo, tinha uma mulher burra e ninguém reclamava. Ah, e o sabão cru-cru então?

Falando nisso, a gente passava por grandes emoções. De real, real mesmo, só lembro do acidente dos Mamonas Assassinas. Agora, teve uma porção de momentos tensos pra infância dos anos 90. Aposto que todo mundo deu energia pro Goku fazer a genki-dama. Teve nego que quase chorou quando o Patamon digivolveu pro Angemon e chorou mais ainda quando saiu o filme do Pokemon e o Ash virou pedra (isso foi em 2000, mas acho que tá valendo). Teve a morte do Galuf no Final Fantasy 5. Teve o fim do mundo na Família Dinossauro

E além disso tudo, tem algo mais emocionante do que ter que zerar um jogo difícil, com poucas vidas, sem poder salvar, tendo que dividir o controle com o irmão mais novo ruim e ainda sem o auxílio da internet?

Foram tempos mágicos também… Harry Potter? Não, não… Tá bom que faz parte da vida de quem nasceu nos anos 90, mas na nossa infância magia era com a Sabrina ou com a Samantha (Presto até tentava…). E mais do que magia, havia dinossauros. Sim, dinossauros! Na televisão, nas revistas, no snes, no psone, no cinema, nas séries, nos desenhos, no chocolate, nas ruas causando a destruição e depois sendo combatido por aquela borboleta gigante que ninguém lembrava o nome e uns filmes depois era montada por duas japas loucas

Fuck logic, I'm riding a dinosaur

E não era por falta de criatividade. Na verdade, criatividade era o que não faltava. É nos anos 90 que você veria gatos com espadas, gárgulas lutando contra o mal, múmias de motocicletas voadoras, patos jogadores de hóquei, bois cowboys, pequenos guerreiros com pouco de mago e muito de herói, sintozóides traindo o governo e sendo perseguidos como traidores, escola de mutates, monstros sendo invocados através de CDs de playstation, crianças usando robôs para lutar umas com as outras, cartas que liberavam magia, hamsters falantes, a dura relação de uma vaca e um frango que são irmãos, bananas usando pijamas descendo escadas enquanto tocava uma música cantando que elas eram bananas de pijamas descendo escadas, tartarugas mutantes ninjas com nomes de de grandes artistasratos tentando dominar o mundo, um canguru vivendo uma vida moderna… E olha que ainda falta muita coisa….

Desenhos como Doug, O Fantástico Mundo de Bob, Ana Pimentinha e A Hora do Recreio mostravam mais ou menos vários aspectos de nossas vidas. Tínhamos uma relação boa e profunda com nossos amigos (viva a falta da internet), dávamos bem com nossa família (ou tentávamos), sofríamos bullying e sobrevivíamos ao mundo hierarquizado da escola…

Enfim, é isso (e muito mais). Anos 90 se foram. Mas no fim, sempre vamos tentar recuperar algo desses tempos. Afinal, como diz Oswald de Andrade: Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso / Que eu me lembro ter dado na infância /Porque metade de mim é a lembrança do que fui / A outra metade eu não sei.

Até mais, galera e feliz dia das crianças.

3 comentários sobre “Infância dos anos 90

  1. kkk.. com certeza a vida era mtuh boa.. sem contar que nakela época o salgadinho da Elma Chips vinha em 5 pacotinhos com cartinha Pokemon.. >.,< .. ÔOOO infancia boa.. pena que naum volta mais..
    Parabens pelo post caro amigo, to morrendo de nostalgia aki.. @.@

    1. Valeu, dona cereja!
      E olha que faltou muita coisa, tipo guaraná Antártica com bonequinho do Pokémon, bater pavão nos amigos, “passa amanhã!”, tazos sobrenaturais do Ping-Pong, ET e Rodolfo no Ratinho, Priscilpa na TV Colosso, a lenda do Chupa Cabra e etc etc etc….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s